Teste Genético para Falhas de Implantação Embrionária

Informações:

Característica genética diminui em até 8 vezes as chances da mulher engravidar

Apesar do aperfeiçoamento das técnicas de reprodução assistida e suas altas taxas de gravidez, os resultados dependem de vários fatores e o sucesso na fertilização in vitro não é garantido. Muitas vezes o procedimento não resulta em gravidez devido a falhas no processo de implantação dos embriões.

Agora, uma pesquisa recém-publicada pela nossa equipe na revista Fertility and Sterility® identificou um componente genético em um grupo específico de casais inférteis que apresentam repetidas falhas de implantação embrionária após tratamento de fertilização in vitro (FIV).

O estudo realizado pela nossa equipe descobriu características genéticas específicas em um grupo de pacientes que tiveram três ou mais falhas no tratamento de fertilização in vitro. Nas amostras colhidas do sangue periférico dessas mulheres, foi identificada a presença de dois polimorfismos nos genes denominados ESR1 (Estrogen Receptor 1) e o LIF (Leukemia Inhibitory Factor). Essa associação de polimorfismos não ocorreu de forma significativa nos outros dois grupos controle utilizados na pesquisa, que foram nas pacientes que engravidaram logo na primeira tentativa de FIV e também em mulheres que tiveram ao menos 2 filhos sem nenhum tratamento para engravidar.

Os fatores genéticos combinados ou sozinhos podem afetar o processo de implantação, fazendo com que o embrião não consiga estabelecer as conexões com o útero materno. A ideia básica é aumentar a chance de obter um diagnóstico correto das falhas de implantação aumentando as taxas de gravidez nos tratamentos de reprodução assistida.

Esse teste pode ser uma ferramenta importante na opção entre uma técnica mais "simples" como a inseminação artificial, ou a fertilização em laboratório que consiste na manipulação do material feminino (óvulo) e masculino (esperma) a fim de dar início à fecundação do óvulo e consequente desenvolvimento do embrião, com sua posterior transferência no útero da mulher.

A presença desses dois polimorfismos pode servir de alerta para mulheres que desejam ter um filho no futuro, principalmente para aquelas com baixa reserva ovariana ou as que pretendem engravidar depois dos 30 anos.

O uso desse teste para fazer uma melhor análise de risco para cada paciente, ajuda os médicos a tomar decisões assertivas melhorando as chances de uma mulher engravidar.

Orientações de Coleta:

Coleta 01 tubo EDTA (tampa roxa)

Prazo de Entrega do Resultado:

Em até 15 dias úteis*

* em 10% dos casos o resultado poderá ter atraso na data da liberação.

Pré-agendamento:

Processando Agendamento!

Aguarde...

Preencha os campos abaixo e receba em até 24 horas nosso retorno por e-mail.

Obs.: Em caso de urgência, ligue para clínica (16) 3911-8987 e faça seu agendamento.

» Normas do pré-agendamento on-line.

 

* Confira os campos com observações, pois pode ter algum campo em branco ou com preenchimento errado!